Aprender com PNL - Parte II

Se você é sensato e humilde, terá notado que nunca aprendeu tudo. (...). Mesmo os mais sabedores têm algo a aprender até ao fim das suas vidas, se não, eles deixam de saber.

San Josemaría Escrivá de Balaguer



Durante toda a vida, o processo de aprendizagem de cada individuo é inevitável.

A aprendizagem é constante e aprendemos ininterruptamente através do que experimentamos – seja de forma programada ou de forma acidental – por meio dos nossos sentidos.





Aprendemos através do que observamos em qualquer momento do dia através da televisão, da leitura de um livro, da visualização de gráficos e dados estatísticos.

Aprendemos através do que ouvimos no rádio enquanto conduzimos, das letras das músicas, do que os professores e formadores nos dizem, através de uma simples conversa, de um debate, uma tertúlia.

Aprendemos através dos aromas, dos perfumes, dos odores. Quando cheiramos algum cheiro novo num país diferente, cativando-nos a querer saber mais sobre aquele contexto.

Aprendemos através do toque, ao fazer as coisas pelas próprias mãos, aperfeiçoando as técnicas materiais.

Aprendemos ainda através do paladar, dos diferentes sabores presentes nas diferentes culturas, aliciando a nossa curiosidade sobre aquela novidade gastronómica.


A aprendizagem é, desta forma, uma capacidade em todos nós.

Inata, natural e permanente, em que muitas vezes, por ser algo adquirido torna-se inconsciente e desvalorizada.





Para aprender de forma consciente descrevo aqui cinco requisitos básicos que, quando cumpridos, facilitarão visivelmente a aprendizagem:


1 – Primeiro de tudo, é importante reconhecer que não sabemos tudo, que o que sabemos pode ser melhorado e que ainda temos muito a aprender.

Assumirmos com humildade a nossa ignorância ao mesmo tempo que criamos uma abertura mental é colocar-mo-nos em frente á porta da infinita aprendizagem.


2 – É fulcral determinarmos o tema ou a área em que pretendemos adquirir novos conhecimentos ou aperfeiçoar algo que já sabemos.

Essa determinação pode ser analisada com algo que precisamos e que pode gerar mais satisfação á nossa vida. Ou algo que pode trazer um sentido mais Universal para nós!


3 – Encontrar alguém que nos possa ensinar.

Alguém com competências e/ou experiência, e assumir que poderemos aprender e até modelar essa pessoa. Podemos ter a mesma disposição com um livro, por exemplo.


4 – Criar e manter uma disposição emocional favorável á aprendizagem que pretendemos adquirir.


5 – Começar a praticar de forma regular as capacidades que pretendemos adquirir.

Com o tempo melhoramos e aperfeiçoamos.

em prática a aprendizagem é incompleta, ineficaz.



Na próxima parte deste artigo, irei abordar um pouco a influência dos sistemas representacionais da PNL na aprendizagem.

0 visualização