O teu relacionamento amoroso está a terminar lentamente?

Sentes que o teu relacionamento amoroso está a terminar lentamente?

Se sentires assim, estás a direccionar-te e a materializar esse sentimento!




É muito comum as pessoas sentirem que o relacionamento amoroso que vivem, com o passar do tempo, lentamente vai morrendo, através das rotinas e dos hábitos, sentindo-se impotentes para regressar ao tempo em que tudo era como antes.

A verdade é que é impossível regressar atrás no tempo, em que tudo era “perfeito”, quando a realidade é tudo era apenas uma ilusão com os dias contados.

Mais à frente, neste artigo, entenderás melhor estas palavras.

Por agora, continua a leitura, reflectindo em como cada palavra se poderá encaixar na tua vida…



Quando as pessoas sentem que nada vai voltar a ser como antes, pensam que o amor terminou, entrando numa fase quase desesperada de comportamentos de pressão e cobrança, tais como:

“Tu mudaste! Já não és o que eras!”

“Tu já não me amas! Não me dás a atenção que me davas antes!”

“Nós já não temos nada!”

“Nós já não fazemos amor como antes. É chegar a casa, comer e dormir!”

“Eu mereço mais do isto!”

Ás vezes, deixamos de ver as coisas boas que temos no nosso relacionamento porque queremos recuperar a todo o custo aquilo que se perdeu, por vezes, de uma forma muito exagerada.


Quando pensamos que já não há nada a fazer pelo relacionamento, na verdade, já desistimos e corremos o risco de deixar de ter investido numa relação que apenas poderia estar a transformar-se e a amadurecer.

É inato no Ser Humano, com o passar do tempo e com a repetição, sentir o extraordinário e especial como ordinário e comum - é a chamada adaptação hedónica, inerente a qualquer Ser Humano!

A adaptação hedónica é um mecanismo do nosso organismo que nos permite viver com uma estabilidade energética, impedindo que, emocionalmente vivamos em extremos permanentes - não é possível vivermos permanentemente num extremo de alegria ou de tristeza, pois seria insustentável para o cérebro humano, levando a um inevitável colapso que nos levaria à morte física!


Os estados emocionais extremos criam memórias muito intensas, que provocam desgaste do organismo, através dos excessivos e desregulados processos bioquímicos.

Em algum momento do novo, o cérebro activa o princípio hedónico, direccionando o cérebro para uma grande poupança de energia, através da regulação dos processos bioquímicos, salvaguardando assim a nossa vida.

Por este motivo, é que tendemos a desvalorizar tudo o que entra na nossa vida com o passar do tempo, com as rotinas e com os hábitos.


Por exemplo, quando compramos um automóvel novo, inicialmente temos imensos cuidados para não sujar as alcatifas com os sapatos que vem da rua, mas com o tempo deixamos de ter esse cuidado.

Ou quando temos um emprego novo em que tudo é entusiasmante e desafiante no início, mas algum tempo depois já se torna algo normal, podendo até ser aborrecido fazer as mesmas coisas todos os dias.

Ou quando conhecemos uma cidade nova que nos deixa muito excitados e curiosos, mas que depois de vermos sempre as mesmas edificações, cores e ruas, deixamos de prestar atenção aos detalhes que anteriormente nos fascinava.

Ou até mesmo quando provamos uma comida pela primeira vez, em que degustamos com prazer cada sabor, aroma e textura, mas que ao fim de algumas vezes de provarmos essa mesma comida, deixamos de sentir o sabor, o aroma e a textura com a mesma intensidade.


É importante que entendas que isto acontece devido ao mecanismo da adaptação hedónica, conforme artigo científico publicado por Stephanie Rosenbloom (7 de Agosto de 2010). «But Will It Make You Happy?».



E como podes saber se o teu relacionamento amoroso está a passar pela fase de adaptação hedónica?


Segundo estudos neuro-científicos, um relacionamento amoroso pode começar a entrar nesta fase entre o primeiro e o terceiro ano, sendo esse o motivo pelo qual muitos relacionamentos amorosos terminam entre os quatro e sete anos de existência.



Existem três sintomas gerais que se podem manifestar, se o teu cérebro está em processo hedónico.


1. Poderás sentir apatia, insatisfação e estás farta da vida quotidiana!

Poderás começar a desejar aquilo que não tens, desejando que isso te faça feliz, e como desejas o que não tens, acabas por desvalorizar e desapreciar aquilo que tens.

Podes começar também a sentir que o que tens torna-se num obstáculo para poderes ter o que desejas, esquecendo-te que isso provavelmente já aconteceu no passado!


2. Poderás confundir emoções com sentimentos!

Uma emoção é um impulso biológico de curta duração, provocado por estímulos determinados.